quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Como Cumprir (efetivamente) as Resoluções de Ano Novo


"Mariana, é fevereiro, porque é que ainda estás a falar de resoluções de ano novo?"
1. Porque eu não sou eu sem abordar este tema no blog.
2. Porque as resoluções não foram feitas para serem praticadas apenas em janeiro.
3. Porque nunca é tarde para recomeçar e cumprir aquilo que prometemos durante o ano.

Ora, e por essas 3 razões listadas acima, a publicação de hoje vai ser dedicada à realização de resoluções (ou objetivos, como lhes quiserem chamar) de novo ano... Mas não é uma realização qualquer, é uma realização eficaz - ou seja, uma que irão efetivamente cumprir.

Como Cumprir as Resoluções de Ano Novo:
  • Divide os teus grandes objetivos do ano em pequenos objetivos que possam ser repartidos por cada mês ou trimestre.
Uma das coisas primeiras coisas que fiz assim que entrei em 2020 foi olhar para a minha lista de 12 resoluções e pensar nas ações simples e diárias que poderia realizar para chegar a cada uma daquelas metas finais. Com cada pequena ação bem definida, fui distribuindo-as pelos diversos meses do ano - onde fizessem mais sentido estar.

Dou-vos um exemplo para facilitar:
Uma das minhas resoluções é entrar num mestrado num área de que verdadeiramente goste. Por isso, dividi esta resolução em:
- Obter informações sobre o mestrado; janeiro
- Inscrever-me no mestrado; março/abril
- Entrar no mestrado. setembro

  • Esta é clichê mas: mantém os teus objetivos num local onde os vejas diariamente.
Este ano, o meu local de eleição foi o meu computador, juntamente com o meu telemóvel.  Mas antes da era da tecnologia (sim, eu já escrevo objetivos há muitos anos), já os tive na minha gaveta da mesinha de cabeceira, colados na porta do armário ou até mesmo em post-its na secretária de trabalho. O único ponto importante: ser um sítio onde os vejas muitas vezes.

  • Qualquer momento é um bom momento para recomeçar.
Falhaste em cumprir os teus objetivos durante o primeiro mês do ano? Recomeça agora. Não esperes pelo dia de amanhã, por uma segunda-feira, por um novo mês ou pelo início de mais um ano... Quanto mais tempo adiares, mais difícil será de concretizares aquilo que te propuseste a cumprir. A melhor altura para recomeçar é neste preciso segundo.

  • Quando a motivação faltar, vem a disciplina.
O maior problema das resoluções de ano novo é que elas só vivem enquanto viver a motivação que este recomeço nos traz. E o que fazemos quando essa motivação se acaba? Voltamos à rotina a que estávamos habituados e desistimos de implementar todas as mudanças que tínhamos planeado fazer na nossa vida.

É exatamente nesses momentos onde a motivação parece ser mais escassa que é preciso chamar a disciplina, pois esta é a única capaz de nos remeter aos nossos objetivos. Apetecia-te desligar o alarme e ficar a dormir mais uma hora? Vai ser a disciplina que te vai impedir de o fazer. Não tens vontade de ir ao ginásio hoje? A disciplina vai agarrar-te e puxar-te de casa sem tu perceberes bem como lá foste parar. Mas, quando deres por ti, já passou tudo e estás um passo mais perto de cumprir a tua resolução.

  • Pensa a longo prazo e não cedas a satisfações de curto prazo.
E assim completo a gloriosa trindade do cumprimento de resoluções: motivação, disciplina e pensamento a longo prazo. A motivação é o que te move para começares, a disciplina é o que te mantém na pista certa e o pensamento a longo prazo é o que acorda a disciplina.

Vamos fazer um exercício muito simples (que pode ser aplicado a qualquer objetivo que tenhas na tua lista):

1. Pensa no teu objetivo e na ação que fazes que te impede de alcançar esse objetivo.
Por exemplo, um objetivo seria comer de forma saudável e o contra-objetivo é comer doces de forma descontrolada.

2. Ambas as ações (tanto o objetivo como o contra-objetivo) têm benefícios, mas benefícios diferentes: um a curto e outro a longo prazo.
No nosso caso, comer aquele doce teria um benefício a curto prazo (a satisfação de o saborear naquele momento); enquanto que comer de forma saudável traz-nos benefícios de longo prazo (o corpo que queremos ter, melhorias na saúde, etc.).

3. Estando conscientes disto, é apenas uma questão de mudarmos o nosso pensamento: em vez de pensarmos nos benefícios para o momento presente, alargamos a nossa perspetiva para aquilo que nos beneficiará a longo prazo.
Aqui, em vez de pensarmos "vou comer este doce porque me vai saber bem", deveríamos passar a pensar "não vou comer este doce porque me está a afastar do corpo que quero ter".

Experimenta fazer este exercício no teu dia a dia e rapidamente começarás a mudar a tua forma de pensar e a implementar pequenas mudanças que se acumularão até chegarem a um resultado significativo!

xoxo,












4 comentários

  1. Não faço resoluções de ano novo, prefiro fazer metas gerais que dão para ser cumpridas em vários anos (por exemplo, o curso, que é preciso 4 anos para acabá-lo), mas boas dicas :).
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É completamente válido, conheço imensa gente que segue o mesmo princípio e é o que resulta melhor para eles! É mesmo uma questão de encontrarmos o que nos serve melhor!
      Beijinhos e obrigada pelo teu comentário

      Eliminar
  2. Eu gosto de ter um caderno em que tenho todos os meus objetivos, por mais pequenos que sejam.
    Por ex: ter pelo menos 14 em x frequência. E os maiores como "acabar o curso".
    No dia em que consigo atingir ponho um x ao lado e a data.
    Nos dias menos bons, pego no caderno e já vejo as pequenas grandes coisas que sonhei atingir e já consegui e dá-me motivação para continuar a lutar pelo que quero (:

    http://arrblogs.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é uma ideia tão boa! Estarmos conscientes do que já realizámos é mesmo um passo super importante de tudo isto.
      Beijinhos

      Eliminar