segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Moda Americana vs. Moda Francesa | Analisei os looks de "Emily in Paris"



No momento em que vos escrevo, posso dizer que acabei há cerca de dois minutos a tão falada série da Netflix Emily in Paris. Para quem ainda não ouviu falar (se isso sequer for possível), durante 10 episódios conhecemos a história de Emily - uma jovem americana que vai viver para Paris para trabalhar numa agência de Marketing. Na verdade, o que me cativou inicialmente a ver esta série foram as simples palavras: "dos criadores de Sex and the City" - e, a partir daí, soube que lhe tinha de dar uma hipótese (nem que fosse pela expetativa dos outfits com que a Carrie Bradshaw tantas vezes me fez sonhar).


Ora, uma coisa podemos já esclarecer: Emily in Paris vive e sobrevive de estereótipos - dos franceses, dos americanos e até dos chineses. Por isso, era de esperar que na moda isso também se fosse verificar. Os looks de Emily são, bem... o epítome dos estereótipos da moda americana. São cor, padrões, detalhes, acessórios. São tudo o que for MAIS. Contrariamente, os looks de Camille (a amiga francesa de Emily) demonstram o melhor da moda francesa: a elegância, a simplicidade, o menos


E, assim, é com o auxílio destas duas personagens que vamos desconstruir as diferenças entre moda americana e francesa. Vamos falar de cor, de padrões, de construção de looks e da tão típica expressão "menos é mais". 


The colors.

Tal como em outros parâmetros que iremos analisar, Emily e Camille são o antagonismo perfeito no que toca a moda e estilo pessoal. As cores garridas e vibrantes são, sem dúvida, o departamento da rapariga americana - Emily não tem medo de brincar com os tons do arco-íris, chegando muitas vezes a fazer conjugações com o auxílio da técnica de color block. Camille, por sua vez, prefere tons neutros, estando os pretos e brancos sempre presentes nos seus outfits. Quando utiliza cor, Camille aposta sempre em tons clássicos, como o vermelho, utilizando-os como uma forma de apontamento e criação de pontos de destaque no seu look. 


The patterns.


Quando falamos de padrões, é para os looks de Emily onde a nossa mente viaja. Tal como nas cores, as conjugações de Emily são mais ousadas, chegando muitas vezes a haver misturas de padrões berrantes num só outfit. Já Camille, são raras as cenas onde esta aparece com peças de padrão; no entanto, tal como é possível ver na foto acima, os padrões que utiliza são os clássicos (polka dots, xadrez) e sempre acompanhados por tons neutros. 


The looks.



Seguindo a linha de pensamentos dos últimos dois segmentos, é fácil de adivinhar o que vou dizer aqui. Nos looks de Emily, há sempre algo a acontecer - não são só os padrões berrantes e as cores garridas, mas também os detalhes nas peças (para onde quer que olhes, haverá um pormenor que te escapou à primeira) e, consequentemente, a imprevisibilidade dos seus looks. Por muito que tentemos adivinhar, nunca saberemos o que Emily irá vestir na próxima cena... Porque as suas conjugações são assim, são inesperadas. Camille, tal como a moda francesa, apresenta conjugações mais simples e, também, mais seguras. Marcados essencialmente pela elegância, os looks desta personagem são de uma simplicidade que nos faz querer acreditar que basta conjugar uma t-shirt e umas calças de ganga para nos parecermos a ela. Mas não, os looks de Camille não são apenas peças de roupa. São o cabelo, a maquilhagem, a sua forma de andar, a sua postura.  


Less is more?


No fundo, se quiséssemos definir a moda americana em uma palavra seria "mais", contrariamente à moda francesa que vive do "menos". Tão simples quanto isso. O que separa estas duas palavras é o mesmo que separa os looks de Emily e de Camille. No entanto, será menos efetivamente mais? Isso deixo ao vosso critério... Com que personagem se identificam mais? Preferiam ter o armário de Emily ou de Camille?


xoxo,


M.


YouTube Instagram | Facebook | Pinterest | Podcast

Publicar um comentário