quarta-feira, 19 de agosto de 2020

5 Dicas para Reduzires o Impacto Ambiental das Tuas Roupas


Sei que, quando falamos de sustentabilidade associada à moda, a maioria das pessoas pensa automaticamente em consumir - ou seja, sendo o consumo o maior obstáculo à moda sustentável. Na verdade, apesar do consumo excessivo ser um dos grandes problemas da indústria, o impacto ambiental da mesma não se baseia apenas neste conceito. Por exemplo, as roupas que já possuímos no nosso armário também contribuem diariamente para o impacto ambiental da indústria da moda e é esse o tema da publicação de hoje. 

Mas, primeiro, porque é que as roupas que já possuímos têm um impacto ambiental tão importante?

Para começar, pelo seu curto tempo de vida. Em média, cada peça de roupa tem uma esperança de vida de 3 anos num armário típico, sendo que, ao fim deste tempo, é muito comum a sua colocação no lixo. Ora, não só a duração de cada peça é bastante curta (e não, na maioria das vezes nem sequer está relacionado com a qualidade da mesma) como o seu destino final tem um impacto gigantesco para o planeta. 

Além disso, se possuímos peças que forem produzidas através de processos não sustentáveis - desde o tipo de material usado até ao tratamento químico que levou - é muito provável que tudo isso tenha um impacto para o nosso corpo e para o ambiente sempre que utilizamos a peça em questão. Aliás, um dos processos onde isso mais se revela é quando lavamos a roupa. Para exemplificar, tomem o caso de uma peça feita de poliéster: cada vez que a lavas, vários microplásticos soltam-se da mesma e, dada a incapacidade das máquinas de lavar de filtrar estes organismos, acabam nos nossos esgotos, mares e tudo o que daí derivar. 

Sabendo tudo isto, já te deves questionar:
Então, como posso reduzir estes impactos?

Dica 1. Se uma peça do teu armário se estragar, procura uma forma de a arranjar para que possas voltar a utilizá-la. 

A maioria dos problemas que levam a que muita gente coloque uma peça no lixo podem ser, na verdade, facilmente resolvidos. Por exemplo, há uns anos, uma das minhas blusas favoritas teve o azar de ficar com um grande buraco na parte da frente... Era algo que se iria notar bastante se tentasse remendar, mas eu gostava tanto dela que não queria desistir. Assim, a minha mãe, com os seus dotes de costura, colocou uma fita que tapava o buraco e que, na verdade, acabou por dar bastante personalidade à peça e me fez gostar ainda mais de a usar!

Com um bocadinho de imaginação e, se necessário, com o auxílio dos dotes de costura de outra pessoa, é possível arranjar a maioria das nossas peças e assim prolongar a sua vida no nosso armário.

Dica 2. Quando já não há possibilidade de arranjar, a peça pode sempre ganhar uma nova vida.

Meter no lixo? Não, é a última das últimas das opções! As nossas peças podem sempre ganhar uma nova utilidade quando já não servem para estar penduradas no nosso armário.
- Uma t-shirt que ficou manchada? Pode ser o novo pano de limpeza.
- Um vestido sem fecho? Diz olá à tua nova capa de almofada.
- Umas calças rasgadas? Aprende a criar um saco de pano com elas. 

Dica 3. Lava menos as tuas peças e, quando o fizeres, usa temperaturas mais baixas. 

Na verdade, o ser humano comum lava as suas peças muito mais vezes do que elas realmente necessitam e, se já conhecemos os impactos negativos que podem vir dessa lavagem, porque não procurar reduzir? Da próxima vez que fores lavar as tuas calças de ganga, certifica-te de que estás a fazê-lo porque elas precisam ou porque mete-las para lavar é mais fácil do que ir pendurá-las de novo no armário.

No entanto, é óbvio que não podemos dispensar as lavagens a 100%. Assim, quando fores lavar a tua roupa, opta sempre por temperaturas mais baixas, pois está comprovada que tal diminui a proporção de microplásticos que se liberta.

Dica 4. Seca a tua roupa ao ar livre, sempre que possível. 

Esta dica é simultaneamente positiva para ti e para o ambiente! Secar a roupa ao ar livre em vez de recorrer a máquinas de secar poupa uma quantidade de energia considerável e até contribui para que as peças durem mais tempo, dado que estas máquinas tendem a danificar alguns materiais tipicamente utilizados na conceção de roupa.

Dica 5. Procura um sistema de filtragem de microplásticos.

Como referi no início, a maioria das máquinas de lavar são incapazes de filtrar estes organismos... Mas isso está a mudar! Cada vez mais é possível encontrar equipamentos que incluem um sistema de filtragem adequado a este realidade - por exemplo, o governo francês obriga que, até 2025, todas as máquinas de lavar vendidas em França tenham de revelar algum tipo de filtro que retenha microplásticos. Por isso, quando fores comprar a tua próxima máquina de lavar, não te esqueças de questionar este facto.

No entanto, eu tenho noção que não compramos máquinas de lavar todos os dias e, por isso, existem outras maneiras de criarmos um sistema de filtragem na nossa máquina, mesmo que este não faça parte da sua constituição. Uma das maneiras mais comuns é colocar, juntamente com as peças, um saco que funcione como filtro - já existem várias marcas que proporcionam este produto, mas o mais conhecido é o Guppy Bag



Assim sendo, apesar de ser preocupante sabermos que as peças que já possuímos têm também tanto impacto no ambiente, uma utilização consciente das mesmas é o passo essencial para que até esse impacto seja reduzido. Estas são apenas algumas dicas que resultam numa diminuição eficaz das consequências, mas há muito mais para aprender sobre este tema e essa informação estará sempre ao alcance de cada um - basta querermos!

xoxo,

M.

Publicar um comentário