quarta-feira, 27 de maio de 2020

A Moda Sustentável é a Moda do Futuro


    Sou uma pessoa bastante otimista. Tenho o grande defeito (ou qualidade, não sei) de acreditar que os outros procuram sempre dar o melhor de si, tal como eu procuro dar. Com o passar dos anos fui-me apercebendo de que, bem, isso não é propriamente verdade... Mas mesmo assim, quando me fazem perguntas sobre o futuro, a menina ingénua dentro de mim tende sempre a levar as suas respostas para o lado positivo porque, no fundo, nunca deixarei de acreditar no bem da Humanidade. E, quando falamos de moda, a minha opinião mantém-se.

    Ultimamente, temos assistido ao crescer do conceito de "sustentabilidade" em todas as vertentes da nossa vida e, claramente, a moda é uma delas. Falamos da pegada ecológica das indústrias de fast fashion, falamos dos direitos dos trabalhadores, falamos do rácio preço-qualidade, falamos das vantagens de comprar local, falamos... sim, de moda sustentável. Sustentável face ao ambiente, face aos recursos que temos disponíveis, face às necessidades do consumidor, face ao bem-estar do trabalhador. Assim, neste meio, foram aparecendo conceitos como o consumo responsável, os armários-cápsula, a opção por um esquema de cores, a procura de marcas portuguesas - tudo assuntos que já abordei por estas paragens e que, certamente, voltarei a abordar no futuro, mas que, por agora, fazem parte de um conceito maior que eles mesmos: a moda sustentável. 

A fast fashion vai autoesgotar-se

    O meu eu de há uns anos, sem qualquer consciência ecológica, negaria as minhas palavras de hoje. Mas, na verdade, acho que a fast fashion tem um prazo de validade tão curto quanto as roupas que produz... Não digo que irá desaparecer por completo, mas que o fenómeno, pouco a pouco, vai desaparecer. E porquê?

    1. Os hábitos de consumo vão-se alterar. Tal como a fast fashion foi criada a partir da necessidade (e capacidade) dos consumidores de adquirir mais e mais, também esta vai desaparecer quando os hábitos de consumo da população passarem a ser mais ponderados e baseados na sustentabilidade. Lá está - nem todos os consumidores irão fazê-lo, mas basta uma pessoa alterar a sua maneira de comprar para influenciar outra pessoa e essa pessoa influenciar outra pessoa... E entramos assim numa espiral positiva de influência.

    2. As marcas de fast fashion vão adequar a sua produção às novas tendências. Porque se a sustentabilidade for uma tendência - e hoje é, ninguém o pode negar - as marcas também irão procurar segui-la para conseguir corresponder aos pedidos dos consumidores. Isto já está à vista! Já conhecemos a "conscious collection" da Zara ou da H&M... Mas, e agora? Serão estas coleções verdadeiras mudanças do curso da marca ou apenas truques de Marketing temporários? A dúvida mantém-se.

 
O digital será o caminho para a sustentabilidade 

    A moda não é só a roupa - a moda é toda uma indústria de triliões de dólares que engloba os mais variados setores. É óbvio que é importante começar pela base para iniciar a mudança, mas acredito que o digital será a ferramenta-chave para tudo o resto. 

    1. Os lançamentos de coleções serão feitos a partir das redes sociais. Por muito que custe admitir, nos dias de hoje, um desfile de moda tem um mero valor simbólico... Este existe apenas para que a marca possa renovar o seu estatuto na indústria entre as personalidades mais relevantes da mesma; no entanto, para o consumidor, o impacto é mínimo. É nas redes sociais que o consumidor está, é através de um post no Instagram que conseguimos fazer de uma peça um objeto de desejo e as influencers são, no fundo, as novas campanhas publicitárias. Ora, ao nível ambiental, isto terá um impacto extremamente positivo! Já não será preciso voar centenas de pessoas de uma semana da moda para a outra, já não haverá a construção de cenário megalómano que será utilizado por 20 minutos... Haverá somente uma modelo, um fotógrafo e uma publicação nas redes sociais.

    2. O teletrabalho será uma constante. Com o crescimento da importância do digital, é óbvio que a maioria das profissões do futuro será focada neste setor - e já ninguém precisa de ir para o escritório para ter acesso a um computador com Internet. Se há algo que o coronavírus nos fez ver, é que o teletrabalho é, em muitos casos, não só possível como também preferível, nomeadamente quando põe em causa diversas questões ambientais, como a utilização de meios de transporte. 


    No fundo, acredito que lentamente a indústria da moda irá fluir para uma vertente mais sustentável. Algumas marcas irão fazer esta transição à medida que a sua consciência ecológica (ou a dos seus consumidores) for ficando cada vez mais forte e outras serão obrigadas a fazê-lo com o aumento da pressão legal sobre as mesmas. A sustentabilidade é o futuro da moda e o futuro do mundo e cabe a cada um de nós fazer o que for necessário para que esta seja uma realidade que saia do papel (ou do computador neste caso, claramente esta expressão deixou de fazer sentido).

xoxo,

2 comentários

  1. Concordo muito com aquilo que tudo disseste!
    Para mim, a principal razão é que cada vez mais se fala nisso, mais influencers falam nisso e, sendo a geração do futuro uma geração digital, vai acabar por ouvi-las.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, todos temos o poder de mudar os nossos próprios comportamentos e influenciar gerações futuras!
      Beijinhos

      Eliminar