In Personal

Crescer com Boas Notas || O Lado Mau dos Bons Alunos


Olá! No meio da tralha que a Marie Kondo me obriga psicologicamente a arrumar, encontrei memórias - sentimental itens, diria ela - mas daquelas memórias talvez não tão boas quanto eu sentia que eram. Falo-vos do meu período escolar - e vamos excluir a faculdade de toda esta publicação - com uma nostalgia de quem viveu bons tempos, se divertiu, aprendeu muito e, sinceramente, as memórias param aí. E porquê? Já vos conto tudo, mas aqui fica um spoiler alert: ser bom aluno não traz só coisas boas.


Sites e sites de estudantes mostram constantemente os desabafos daqueles que passam os anos escolares no fim da tabela, sempre com medo de ter de repetir o ano, e que se perguntam "mas porque é que não posso ser o melhor aluno da turma?". E, infelizmente, penso que ainda ninguém se deu ao trabalho de lhes mostrar o outro lado da muralha - provavelmente por conveniência dos bons alunos eles mesmos (ninguém gosta de mostrar de onde veio o seu sucesso, pois não?).

Mas, ah, desculpem, permitam-me que me apresente neste contexto: Mariana Silva, aluna com o nome a meio da tabela mas sempre no topo dos resultados escolares; quadro de honra por 8 anos consecutivos; conhecida por facultar apontamentos e ligeiros copianços em testes a alunos "à rasca"; secundário terminado com média de 18,5 e entrada no curso da área de Humanidades que revela a média mais alta do país. 

E agora, vamos ao outro lado: 

Mariana Silva, aluna com um grande historial de ansiedade e stress já desde a primária; conhecida por chorar quando não consegue fazer os trabalhos de casa e responder a perguntas que não sabe, só porque os colegas ficaram a olhar para ela; vida escolar sob pressão de professores e colegas porque, se tem boas notas, então deve conseguir fazer sempre tudo na perfeição; vítima de Bullying devido aos seus resultados escolares; secundário terminado com uma média que exigiu milhares de horas de estudo e ataques de pânico consecutivos após a resolução de testes que "pareciam ter corrido menos bem"; entrada na faculdade para um curso de Humanidades, o que é uma vergonha pois está a desperdiçar o seu cérebro perfeito para a Medicina.

E como eu, haverão muitos que se identificarão com uma grande parte deste mini-historial que me permitiu, ao longo de todos os anos, ser uma boa aluna. Talvez agora já não pareça uma posição assim tão invejável, pois não? Tantas vezes que eu chorava, porque gostava de poder ser como aqueles que têm resultados satisfatórios, mas que parecem levar tudo com uma leveza tão grande e não ter uma pressão gigantesca sob os ombros - pressão muitas vezes colocada por mim mesma. Tantas vezes que eu olhava para as minhas notas e pensava "mas será que todo o meu esforço vale a pena apenas por números colocados num papel?". Tantas vezes que disse a mim mesma que as minhas notas não definiam as minhas capacidades, mas que, no entanto, me deitava abaixo sempre que os resultados não correspondiam às expetativas colocadas em mim.

Foram anos complicados, sofridos, suados, mas que, vistos de fora, foram anos de sucesso. Se foi assim na escola, nem quero imaginar como será quando chegar à vida real, mas pelo menos várias coisas aprendi: não preciso de ser sempre a melhor se der o melhor de mim mesma; não preciso de ser a mais inteligente na sala, porque assim não aprenderei nada; não preciso de me culpar por um resultado menos bom, pois sei que um número não define aquilo que sou e aquilo que posso dar. E, ao mesmo, adquiri hábitos de estudo e de trabalho que me serão essenciais para sempre e que já me preparam extremamente bem para o mundo que me espera.

Se mudaria alguma coisa no meu percurso escolar? Mudaria, mas, simultaneamente, foi graças a tudo isso que consigo pensar como penso hoje. Por isso, aqui fico um conselho para quem está desse lado e ainda caminha por este percurso escolar:

Se te identificas com o que aqui escrevi, lembra-te de que as tuas notas não são o início e o fim da tua vida - há muito mais para além disso e o teu corpo agradecerá se te conseguires afastar do stress que te rodeia. Se vieste aqui só por curiosidade de conhecer o outro lado, procura aprender um pouco mais com o melhor aluno da tua turma e ensina-lhe que está tudo bem em errar de vez em quando.

xoxo,




Related Articles

2 comentários:

  1. Olá Mariana! Sigo-te há muito tempo, mas não sou muito pessoa de comentar. Depois deste post, tive de o fazer. Estou no 12º ano de Ciências e Tecnologias, com uma média interna de 18,4 e cansada todos os dias. Porquê? Porque me mato a estudar para tirar estas notas. Já tenho um historial de ataques de ansiedade desde o meu 8º ano, mas no secundário (principalmente 11º) agravaram-se. Identifiquei-me tanto com o teu post, porque todos os dias digo a mesma coisa para mim mesma ("As notas não definem quem tu és, Clara!"), mas depois de cada teste choro durante horas porque sei que não correu como eu queria. Muita gente não sabe mas, tal como tu, passo-me quando não tenho um exercício correto à primeira; e também tenho medo de errar à frente de todos (porque eu crio expectativas para mim mesma, mas os outros ainda criam expectativas maiores). Este ano tenho andado a controlar-me mais relativamente ao estudo, tentando não me agarrar tanto aos livros, e apesar de saber que algumas das minhas notas poderão eventualmente descer (não aconteceu até agora, aliás, até subiram), a minha saúde mental está muito melhor. Agora sim percebi que a minha saúde está à frente de um número que define três anos da minha vida. Apesar de ainda ter sonhos e de lutar por eles com MUITA força e dedicação, estou muito mais feliz e muito mais realizada! Beijinhos e continua assim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devo dizer que o teu testemunho me tocou imenso. Fico muito feliz que tenhas percebido que a tua saúde mental deve estar acima de tudo e é quando te sentes bem contigo mesma que consegues dar o melhor de ti! Estás com uma média excelente, muitos parabéns, e ninguém te pode tirar o mérito por todo o sucesso alcançado. Com essa mentalidade e com essa determinação, sei que vais alcançar grandes coisas na vida, desde que nunca te esqueças do teu bem-estar! Muito obrigada pelo teu comentário, desejo-te todo o sucesso do mundo! Beijinhos

      Eliminar

Thank you so much!