In Events Learning&Concepts

TedxPorto Women


Olá!
       Perguntei-vos no Instagram se gostavam de ver uma publicação sobre o TedxPorto Women e, como a maioria respondeu afirmativamente, aqui está a tão prometida publicação. Para os que ainda não me seguem no Instagram (aviso-vos já que estão a perder imenso, passem por @maryjournal), no último sábado, dia 4 de novembro, passei uma bela tarde num evento complementar ao TED que aconteceu em New Orleans nos três dias antecedentes e que tinha como principal tema "Bridges". O evento no Porto teve como subtema as mulheres, mas, ao contrário do que muitos pensam, não foi só ligado à desigualdade entre géneros - os temas falados foram muito variados. E quais foram esses temas? Vou agora contar-vos!


Primeira talk: Cláudia Morgado
“Quando educamos uma criança devemos abrir-lhe os horizontes, não condicioná-los.”

       Lembram-se da polémica em volta dos livros para rapazes e raparigas da Porto Editora? Tenho a certeza que sim... e, talvez se não fosse a Cláudia a abrir-nos os olhos com uma publicação no facebook, teríamos ficado sem saber de tal durante muito mais tempo. Com a sua talk, a Cláudia, mãe de um rapaz e de uma rapariga, veio mostrar-nos, através de estudos e até da sua experiência pessoal como devemos educar uma criança, de modo a dar-lhe a maior possibilidade de escolha e não a condicioná-la.

Segunda talk: Sara Ramos
“Como pode este sistema educativo ser flexível e humano se nos obriga a estar encaixados numa média?”

       A Sara deixou-nos no pensamento o poder de uma escola sem professores, sem programas restritos, sem avaliação - parece um sonho, mas é realidade! A New Digital School é uma escola criada por Sara Ramos onde o ensino é personalizado, isto é, cada aluno escolhe o seu próprio programa de aprendizagem, e nos prepara para o mercado de trabalho, já que a "avaliação" de cada aluno é feita através da realização de trabalhos reais para clientes verdadeiros. Esta talk deixou-nos a distinção entre ensino forçado e mecanizado e aprendizagem natural.

Terceira talk: Jovem Conservador de Direita
“Os preconceitos são a forma de colocar as pessoas em caixas para que seja mais fácil lidar com elas.”

       Um bocadinho de humor veio até à plateia antes do intervalo, sendo recebido com muitas gargalhadas por parte de alguns e revirares de olhos da parte de outros. A verdade é que toda a talk do JCD estava repleta de sarcasmo e ironia, mas não há ninguém melhor para vos explicar tudo o que foi dito do que o próprio - aqui está um excerto de uma publicação sua: "Como homem, vou ter oportunidade de explicar calmamente a uma plateia de senhoras quais são os seus verdadeiros problemas e quais devem ser as suas prioridades no que diz respeito a assuntos com os quais se devem indignar. Conto com muitos revirares de olhos na plateia, que é a reacção normal das senhoras arrogantes a sessões produtivas de mansplaining. Só que como vou estar num palco com um microfone num evento para o qual pagaram, não vão poder virar costas e vão ter mesmo de me ouvir."

Quarta talk: Nour Machlah
“There isn’t only lack of information, there is lack of right information.”

       Imaginem-se na pele de um refugiado sírio que recomeça a sua vida em Portugal e, para além disso já ser por si só difícil, ainda tem de aguentar diversas perguntas curiosas baseadas em estereótipos da sua cultura, que apenas demonstram a falta de informação existente na Europa. O que faziam? Ficavam ofendidos e revoltados? Provavelmente sim, mas Nour Machlah não... simplesmente decidiu ter uma open mind e informar quem conseguia sobre a verdade da sua cultura, tentando quebrar estereótipos e preconceitos existentes. 

Quinta talk: Navvab Aly 
"O meu cabelo não é só cabelo, é a minha identidade.”

       Navvab Aly é seguida por milhares de jovens por dar dicas de como cuidar de cabelo afro, que, para ela, é muito mais do que só cabelo - é o que a difere de todos os outros, é a sua identidade. Começando por falar do estereótipo de que o seu cabelo é alvo, mesmo na sua própria cultura ("São africanos a oprimirem africanos, por serem africanos."), Navvab demonstra, ao longo da sua talk, todas as dificuldades que as mulheres negras sofrem perante a sociedade atual e como devemos lutar para combater o racismo, o machismo, o sexismo.

Sexta talk: Gabriella Opaz
“Where do we go to learn how to be human?” 

       Acabámos esta edição do TedxPorto com uma storyteller de profissão a contar-nos como o seu filho de quatro anos lhe deu a maior lição da sua vida: todos somos humanos, todos somos iguais, independentemente da nossa etnia, cultura, género ou qualquer outra diferença. Mas porque é que temos tanta dificuldade em perceber isto? Porque ninguém nos ensina a ser humanos, ninguém nos diz como devemos controlar o nosso corpo, os nossos pensamentos, as nossas emoções, não existe nenhuma caixa de ferramentas para cuidarmos de nós... E é isso que Gabriella está a tentar fazer: criar uma caixa de ferramentas que nos ajude a ser humanos.´



       Ao longo do TedxPorto Women, também podemos ver em primeira mão algumas das talks que passaram pelo palco de New Orleans, entre elas: Cleo Wade, Anushka Naiknaware, Sally Kohn e John Cary. Aconselho-vos a ver todas estas assim que estiverem online, pois são histórias muito inspiradoras!

       Espero que tenham gostado de conhecer um pouco sobre o evento e que tenha aumentado a vossa curiosidade de ouvirem todas estas talks assim que estiverem online. Para isso, deixo-vos aqui o site do TedxPorto e o seu facebook, para poderem estar a par de todas as novidades e até de novos eventos!
       E como não podia deixar isto em branco, atingimos ontem as 65 MIL VISUZALIZAÇÕES! Fiquei mesmo muito feliz com este número e espero que continuemos a aumentar esta comunidade de entreajuda.

xoxo,

Related Articles

4 comentários:

  1. Gostei imenso dos temas escolhidos.
    Beijinhos :)
    mylifeasvdiary@gmail.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostei muito, achei que foram na sua maioria variados e pertinentes!
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Há já algum tempo que quero ir a um evento TEDx mas ainda não surgiu a oportunidade. Adorava ter estado nesta porque, como feminista, creio que teria sido bastante bom para mim assistir às palestras. Fiquei ainda com mais vontade de assistir pelos excertos que apresentaste. :)

    Conheci hoje o teu blogue e estou a gostar muito da forma como escreves, parabéns. :)

    Beijinho.

    nouw.com/kika

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinceramente o TEDx é um evento muito especial, este foi o meu primeiro mas acho que mais nenhum me escapa! Assiste, vale muito a pena!

      Obrigada, querida! Beijinhos

      Eliminar

Thank you so much!