In Personal

TAG: Morar Sozinha


Olá!
       Eu sei que já devem estar fartos de ler publicações sobre tudo o que envolva universidade, I can't help it, pois é algo que tem mesmo tomado conta da minha vida e do meu dia-a-dia ultimamente, mas espero que, pelo menos, exista uma alma desse lado que esteja a sofrer qualquer tipo de impacto positivo com esta minha pequena ajuda (hey, ninguém está sozinho!). Hoje, na continuação desse tópico, trago-vos uma TAG, provavelmente já muito conhecida por alguns de vocês, onde vou responder a perguntas - tal como devem ter visto no título - sobre toda esta minha experiência de estar a morar sozinha, ou, pelo menos, longe da casa onde nasci e cresci. Então, como estará a ser esta nova vivência? Iremos agora descobrir...


1. Como foi sair de casa? Conta a tua história!

       De forma muito geral, sair de casa teve tanto de bom, como de mau. Como já todos sabem, eu saí de casa para ir para o curso que tanto queria, no Porto... Ora, como eu não vivia nesta cidade, fui "obrigada" a procurar uma nova casa, que me pudesse acolher durante este período de estudos. 
       Mas sair de casa foi como levar uma injeção de responsabilidade, foi como se, de um dia para o outro, tivesse sido obrigada a saber como haveria de tomar conta da minha própria vida, pois, sejamos sinceros, os nossos pais acarretam muitas das nossas responsabilidades até certa idade. Por outro lado, foi como levar uma injeção mútua de liberdade, já que, a partir do momento em que me vi sozinha, passei a contar unicamente com as minhas decisões - por exemplo, a que horas jantava, se passava o dia a dormir ou a estudar, quando ia ao supermercado, etc.

2. O que é que mais gostas em morar sozinha?

       Sem dúvida, o facto de não ter um horário. Isto é, poder fazer as coisas quando me apetece ou quando necessito delas, tendo sempre em conta toda a responsabilidade que isso acarreta. Se um dia me apetecer jantar às 22h, janto a essa hora, pois é apenas a mim que tenho de prestar contas em relação a isso.

3. O que é que menos gostas em morar sozinha?

       Duas palavras: TAREFAS DOMÉSTICAS. Não comento mais, iria sair um queixume enorme e desnecessário, que todos nós temos de saber como lidar.

4. Como foi o planeamento para sair de casa?

       Digamos que foi rápido, mas eficaz. É necessária muita organização mental para conseguir reunir tudo aquilo que é preciso numa casa, acreditem que são muitas mais coisas do que qualquer um imagina. É necessária também uma quantidade exagerada de paciência e compreensão, até porque é sempre muito difícil arranjar a casa dos nossos sonhos e, por isso, é importante aprendermos a chamar de "casa" àquilo que temos. Mas, no geral, tenho de admitir que o planeamento apenas se tornou eficaz graças aos meus pais que sempre souberam, muito à frente do que eu sabia, tudo aquilo que eu iria precisar e que me iria fazer sentir confortável. 

5. Quanto custa morar sozinha?

       Obviamente que depende muito das zonas onde queremos morar, mas acho que todos sabemos que morar sozinho nunca fica barato. As despesas são as mais variadas possíveis: desde a renda da casa em si até ao produto de limpeza para lavar o chão, sem nunca esquecer as despesas de água e luz, a alimentação e tudo e mais alguma coisa. É fácil, então, chegar à conclusão de que, para morar sozinho, precisamos de um bom e estável suporte financeiro.

6. Dicas para quem vai alugar ou comprar uma casa.

       Se estão a pensar fazer esta mudança, aconselho-vos a planear tudo muito bem, principalmente a darem-vos o tempo suficiente para fazer a escolha certa, no que toca à vossa futura casa. Este mercado consegue ser muito exigente, por isso, quanto mais tempo tiverem para procurar a melhor opção, melhor se irão dar. Para além disso, é importante saberem quando não devem hesitar... Quando sentirem aquele conforto de "lar", não hesitem em dizer que sim e em ficar com o sítio onde se sentem bem, pois, mais importante do que tudo, é sentirem-se no VOSSO espaço.

7. Problemas de morar sozinha.

       O principal problema de morarmos sozinhos é mesmo estarmos sozinhos, como devem imaginar. Se há algum problema em casa, devem ser vocês a tratar disso: se falta comida, têm de ser vocês a ir ao supermercado; se há loiça por lavar, têm de ser vocês a lavá-la... é toda uma acumulação de tarefas, que têm mesmo de ser feitas, para uma pessoa só. Para além disso, por vezes consegue ser bastante solitário morar sozinha, pois, para além de ter o som da música ou da televisão para me fazer companhia, falta sempre a voz de uma pessoa presente, ao nosso lado - não há nada que substitua essa sensação, apenas aprendemos a atenuar essa solidão.

8. Qual é a melhor maneira de fazer amizade com os vizinhos?

       Estar sempre dispostos para responder aos seus problemas e ajudá-los naquilo que consideramos importante, porque, tanto podem ser os nossos vizinhos a precisar de ajuda, como podemos ser nós futuramente. É importante sabermos dar e receber, sempre no peso e na medida certa. No entanto, tenho de ser sincera e dizer-vos que são poucos, ou nenhuns, os vizinhos que conheço... nas grandes cidades tendemos a afastar-nos dessa sensação de "bairrismo" e suporte da vizinhança, por isso acabamos por não fazer amizade com quem vive ao nosso lado, apesar de isso ser, na minha opinião, um erro.

9. Já tiveste algum problema com os teus vizinhos? Como foi?

       Nunca tive qualquer tipo de problema com os meus vizinhos, mas é óbvio que, em certos momentos, todos nós desejamos ter uma vizinhança diferente... principalmente quando nos acordam a meio da noite com barulhos irritantemente desnecessários.

10. Qual foi o maior problema que já passaste morando sozinha?

       A maior dificuldade que tive até agora foi mesmo ultrapassar certos medos, como os barulhos estranhos que ouvia e que me assustavam profundamente. Imaginem acordar às 6h50 da manhã todos os dias com um cantarolar que parece saído da vossa cozinha (se virem demasiados filmes de terror iriam, sem dúvida, ficar paranóicos). Este foi um grande problema que tive, pois acordava completamente aterrorizada todas as manhãs... até me ter apercebido de que esse som vinha da vizinha de cima, que adorava cantar umas musiquinhas enquanto preparava o seu pequeno-almoço todos os dias de manhã. Chamem-me doida, mas parecia uma cena saída de um filme de terror.

11.  Qual foi a situação mais engraçada que passaste morando sozinha?

       Esta história é demasiado hilariante para não ser partilhada com o mundo. Bem, no meu primeiro dia na casa nova, após ter jantado a minha primeira refeição only by myself, chegou a altura de fazer uma das tarefas domésticas que mais odeio: lavar a loiça. Enchi-me de vontade (tinha de ser) e comecei e lavar os pratos, mas entretanto reparei que a água no lavatório não escorria... Entrei logo em pânico a pensar que tinha entupido a canalização logo no primeiro dia! Liguei à minha mãe, obviamente, que me mandou imediatamente ir analisar a situação, por isso, calcei as minhas luvas cor-de-rosa e, com uma colher, fui explorar o ralo. Qual não foi a minha surpresa quando começo a sentir algo fofinho e maleável no cano (para os que já estão a imaginar, não era um rato nem nenhum outro animal) e, ganhando a maior coragem do mundo dizendo "Mariana, tu já és adulta", comecei a puxar esta coisa estranha que se tinha enfiado na canalização, tendo sempre o apoio psicológico da minha mãe do outro lado da linha. Fui puxando, puxando, puxando para fora o máximo que conseguia... e foi então que reparei que tinha acabado de retirar umas calças de ganga do ralo! Repito, umas CALÇAS DE GANGA todas rasgadas! Acreditem que tive de olhar bastantes vezes para ter a certeza do que estava a ver... Obviamente que depois de uma explicação da parte do senhorio e de uma grande risada geral, percebi que já tinha uma história de universidade que iria durar para a vida.

12. Foi solitário sair da casa dos pais e morar sozinha?

       Estaria a mentir-vos se dissesse que não. Apesar de estar a ter uma ótima adaptação e de não ter tido grandes problemas até agora, tenho de admitir que as saudades ficam sempre, pois, por mais habituados que estejamos à distância, não há nada que se compare à sensação de "viver sozinho". É, como tudo, uma questão de hábito, no entanto, irá sempre saber maravilhosamente bem passar uns dias de volta à casa onde crescemos.

       E esta foi a TAG de hoje, espero que tenham gostado e, principalmente, que tenham percebido que morar sozinha traz uma grande responsabilidade agarrada. Não tem só vantagens, tem também muitos "problemas" por ultrapassar, que nos irão ajudar a crescer.
       Queria só dizer-vos que amanhã, dia 4 de outubro, irei estar presente no meu primeiro evento de moda e que, obviamente, irei contar-vos tudo aqui no M's Journal. No entanto, se quiserem acompanhar tudo em primeira mão, irei fazer instastories (@maryjournal) durante o dia para vos mostrar tudo. Até sexta!

xoxo,

Related Articles

6 comentários:

  1. Gostei muito da TAG, dá-nos uma perspectiva muito mais ampla.
    Beijinhos :)
    https://dailyvlife.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Eheh gostei. Algumas coisas identifiquei me contigo. Mas morar sozinha tem que se lhe diga.

    Beijinhos
    www.pirilamposemarte.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem muitooo que se lhe diga, mas estou a adorar!
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Achei interessante este teu post até porque brevemente também vou sair de casa, mas para morar com o meu namorado.
    Hilariante mesmo a história das calças de ganga!!!

    Gostei do teu blog e segui-te.
    Beijinho

    https://abriga-tecomigo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Thank you so much!